quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

AMAR... NÃO TEM PREÇO

HORS DE PRIX.

Rebatizado no Brasil como "Amar... Não Tem Preço", HORS DE PRIX foi rodado na ensolarada região da Riviera Francesa (Mônaco e Nice), e lançado em 2006.

A jovem, prostituta de luxo, Irène (Audrey Tautou - protagonista de "O Código Da Vinci"), conhecida pelos golpes que aplica em milionários da terceira idade, está hospedada em um luxuoso hotel com seu amante rico, quando conhece o tímido garçom Jean (Gad Elmaleh) e surge uma atração entre os dois. Irène confunde Jean com um ricaço e acha que pode unir o útil ao agradável. A partir daí começa uma sessão de encrencas e confusões, envolvendo identidades trocadas, e o esforço de Jean para manter sua farsa. O mais difícil para Jean será manter o seu segredo e, ao mesmo tempo, sustentar os gostos caros da sua amada.

Recomendo.

No site oficial do filme <http://www.tfmdistribution.com/horsdeprix/> todos os detalhes.

CADA UM DOS BACKYARDIGANS



Não tem nada a ver uma coisa com outra, mas eu associei a paixão que eu tenho pelos Backyardigans com esta foto aí que nós tiramos no Natal. Nem fiz questão de fazer a montagem como manda o figurino, primeiro porque é difícil encaixar direitinho as cabeças nos bonecos, depois porque... . Ah, deixa pra lá!

O local é o Aeroporto Comandante Gustavo Kraemer, em Bagé, RS. E da esquerda para a direita [na 1ª foto] vem: Bruno (Pablo); Anete (Uniqua); Sérgio (Tyrone); Bia (Tasha); Maurício (Austin).

A descrição personal destes bichos [ou alguém mais, além dos tais bichos], vem a seguir:

Tasha - Ela é uma pequena e charmosa hipopótama amarela, com sapatos vermelhos e com um vestido florido. Por baixo dele bate um forte coração de líder, justa, racional e cética. Sempre motivada para fazer as coisas do seu próprio jeito, Tasha é tão risonha e brincalhona quanto a companheira dela, Uniqua, ou qualquer um dos outros Backyardigans.
Tyrone - Um alce cor-de-laranja muito agradável e às vezes medroso, ele é o melhor amigo do Pablo, mas quase seu oposto em termos de personalidade. Ele é cabeça-fria e conhecido por seus comentários irônicos. Tyrone aparentemente não usa calças, mas de alguma maneira consegue por as mãos nos bolsos. Ele pode parecer um pouco mais lento que seu melhor amigo, mas ambos se completam. E qualquer problema que o Pablo possa imaginar, o Tyrone pode resolver.
Pablo - É um pequeno pingüim azul, que se destaca pelo seu chapéu de hélices e por sua gravata borboleta. É dele que parte a maioria das idéias, e é quem costuma tomar a frente em muitas das situações impulsionado pela sua energia e impetuosidade, porém vive entrando em pânico quando se depara com os obstáculos, dai ele sai gritando e correndo em círculos até que um dos seus companheiros grite: - "Pablo..., Pablo!", e proponha uma solução e o acalme. então ele vira e calmamente e diz: -"Sim?"
Uniqua - ¿Mas o que é a Uniqua? A Uniqua é uma uniqua, ou seja, o nome dela é também o nome da sua espécie [isto segundo os criadores da personagem]. Ela é graciosa, ágil, engraçada, vive contando piadas e fazendo cócegas nos seus amigos. Uniqua é arteira, mas ela também é doce, e sente se os amigos dela estão contentes ou tristes. Então ela sempre dirá algo que mostrará a sua preocupação, e que gosta deles.
Uniqua não teme nada e é muito valente!
Austin - Um canguru roxo e divertido, este é Austin. Ele é muito doce e sincero, sempre contente e energético ao ser incluido nas brincadeiras. Tímido a princípio e ao mesmo tempo autoconfiante, ele sempre tenta ajudar os amigos quando eles precisam, às vezes de modos ardilosos, embora ele não apareça muito.
...
Ia me esquecendo de dizer que "The Backyardigans" atualmente estão brincando: no Discovery Kids, das 10:00 h às 10:30 h, das 17:00 h às 17:30 h, e das 22:00 h às 22:30 h, de segunda a sexta; e na Rede Vida, no programa da Danny Pink <http://www.dannypink.com.br/index.php>, Hora de Brincar, das 14:30 h às 15:00 h.

MARLENE FAVELA


Silvia Marlene Favela Meraz é uma atriz e modelo mexicana que ficou conhecida no Brasil através da telenovela colombiana, em parceria com a Televisa mexicana, "Zorro, La Espada Y La Rosa", exibida pela Rede Record em 2007. Ela nasceu em Santiago Papasquiaro, província de Durango, México, em 05/08/1976.
Depois de atuar como modelo na Cidade do México durante cinco anos, recebeu um convite da Televisa para estudar interpretação e foi em frente. Como apresentadora de um programa chamado Camarón Que Se Duerme, estreou na TV, e logo em seguida foi convidada para atuar em telenovelas. Assim, em 1999, "Infierno en el Paraiso" marcou a sua estréia na teledramaturgia. Na sequência vieram: "DKDA: Sueños De Juventud" (1999); "Por Tu Amor" (1999); "Mujeres Engañadas" (1999); "La Casa En La Playa" (2000); "Carita De Ángel" (2000); "La Intrusa" (2001); "Navidad Sin Fin" (2001); "Gata Salvaje" (2002); "Entre El Amor Y El Odio" (2002); "Velo De Novia" (2003); "Rubi" (2004); "Contra Viento Y Marea" (2005); uma participação especial em "Ugly Betty" (2006); "Zorro, La Espada Y La Rosa" (2007); e "Amor Sin Maquillaje" (2007).

Em 2004 participou do Big Brother VIP Mexicano, e em 2007 atuou no filme "Species IV" ["A Experiência IV", na versão brasileira].
Posted by Picasa

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A ORIGEM DOS NOMES DAS NOTAS MUSICAIS

"Para que possam os teus servos exaltar, a largos pulmões, a maravilha dos teus milagres, retira-lhes dos lábios a impureza, ó São João".

Esta é uma tradução do hino composto em louvor a São João Batista, santo escolhido como padroeiro do coral regido pelo Teólogo e Musicólogo Guido D'Arezzo (955-1050), lá no século XI.
Cada verso do hino [transcrito na ilustração abaixo] iniciava um tom acima do verso anterior, e suas primeiras sílabas serviram para que D'Arezzo identificasse, mnemonicamente, cada som em uma escala musical, tal como a conheceríamos hoje, não fosse por um detalhe que explico a seguir.



No século XVII, João Batista Doni, um influente maestro italiano, aproveitou-se da dificuldade que as pessoas encontravam para cantar a sílaba "UT", e substituiu a primeira nota musical, que seria "UT", por "DO" [inicial do seu sobrenome]. Assim, a escala "DÓ-RÉ-MI-FÁ-SOL-LÁ-SI-DÓ" passou a ser referência para qualquer composição musical no mundo inteiro.

Experimente cantar o hino no banheiro [em latim, e com voz de tenor, barítono ou soprano], obedecendo a escala musical proposta, para ver o efeito que dá.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

HAPPY BIRTHDAY!


Clóris Silveira, uma amiga de incontáveis anos, está de aniversário hoje. Ela é Economista e Contabilista, trabalha e mora em Bagé (RS) desde sempre.

Este blog a homenageia nesta oportunidade, prometendo editar esta postagem mais uma vez, para inserir umas fotos do meu arquivo pessoal que ficaram faltando.


1000 beijos, Clóris!
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
E como eu prometi acima, achei e publico duas photos inéditas desta amiga querida.
Ela, aos 19 anos e, uns anos mais tarde, ela e a filha Paula [que ficou com vergonha de tirar foto e se escondeu], quando tinha 4 anos.
Lembrando que para ver as fotos no tamanho original, basta clicar em cima.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

PELÉ E GARRINCHA


1962 - Santos FC versus Botafogo FR. Naquela época este era considerado o maior clássico do futebol brasileiro. A explicação é simples e já vem com uma amostra significativa (foto). Pelé e Garrincha faziam parte dessas equipes que constituíam a base da imbatível seleção brasileira.

GRÊMIO - UNIFORME/2009

Me dá arrepios só de imaginar que a camiseta do Grêmio possa, mais uma vez, ser desfigurada pela Puma. Estão querendo me enlouquecer!

Primeiro foi a camisa feita de "perfex" e, para completar, estreitaram as listras e as encolheram na parte de trás, criando aquele "rabo azul" ridículo. E na mesma camisa resolveram usar uma gola "V" de cor preta, bem fininha, ao invés da tradicional gola branca.


Também não aprovei a camisa branca (reserva) com aquelas listras verticais em um dos lados. Prefiro que a camiseta branca venha com duas listras horizontais, mais ou menos como esta do desenho.


Nestes casos aí, abaixo, só gostei das modelos. Mil reverências à Deborah Secco!


Se voltarmos no tempo e desconsiderarmos os anúncios de patrocinadores nas camisas [que eu acho que deveriam ser proibidos pela FIFA no uniforme de jogos oficiais, em função da poluição visual que provocam e a consequente desconfiguração da camiseta oficial dos clubes], é bem provável que encontremos, dentre todos os lançamentos ao longo de várias décadas, um uniforme, pelo menos, mais bonito do que este de 2008.

Penso que quanto mais simples, e fiel à tradição, for a camiseta de um time de futebol, melhor impressão causará aos seus torcedores. E o mais importante: a camisa de jogo não deve ter nenhum anúncio de patrocinadores; basta o escudo do clube, o número nas costas e o nome (ou apelido) do atleta.

Aos patrocinadores o direito de estampar o que quiserem em bonés, camisas de treino, agasalhos, em out-doors do estádio e no que mais imaginarem. Na camisa oficial, NÃO!

GIMME! GIMME! GIMME!- ABBA

video

Esta é para quem gostava [e ainda sente saudades] do ABBA. Este clip dá uma idéia de como era desenvolvido o trabalho de estúdio da famosa banda que animou as décadas 1970/1980. Lançada em 1979, “Gimme! Gimme! Gimme!” veio servir, muitos anos mais tarde, para alavancar o sucesso “Hung Up” da pop star Madonna, que utilizou, com a permissão de Benny Andersson e Bjorn Ulvaeus, um sample [facilmente identificável neste filme] da música original do grupo ABBA.
Benny Andersson ainda declarou: "Admiramos muito a Madonna. Ela tem garra e está aí há mais de 20 anos. ‘Hung Up’ é realmente boa. Se fosse o contrário, jamais teríamos dado permissão. É uma canção maravilhosa- 100% música pop sólida".

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

O TRATADO DA ANTÁRTIDA

1957, 1º de julho. Com o objetivo de consagrar o Ano Internacional da Geofísica, o ICSU (International Concil for Science Union) aprovou a criação do SCAR (Scientific Committee on Antarctic Research), formado por delegados de doze países engajados em pesquisas na Antártida. Argentina, Austrália, Bélgica, Chile, Estados Unidos, França, Japão, Noruega, Nova Zelândia, Reino Unido, República Sul Africana e União Soviética fizeram-se representar nesse encontro e, a partir dessa data, passaram a instalar suas estações de pesquisa no continente antártico. A conferência de Washington realizada em 1958, resultou na assinatura, em 1º de Dezembro de 1959, do Tratado da Antártida que entrou em vigor em 23 de junho de 1961, e cujos princípios básicos são a liberdade para a pesquisa científica, a cooperação internacional para essa finalidade e a utilização pacífica da Antártida, proibindo expressamente a militarização da região e sua utilização para explosões nucleares ou como depósito de resíduos radioativos. A área de abrangência do Tratado da Antártida situa-se ao sul do paralelo 60, e nela estão localizadas as estações de pesquisa.
O regime jurídico do tratado estende a outros países, além dos doze iniciais, a possibilidade de participarem das discussões e pesquisas relacionadas ao continente quando, em função do seu interesse, realizarem atividades de pesquisa científica substanciais. Desse modo, outros quinze países mantêm, ou já mantiveram, estações de pesquisa no continente antártico.
A relação completa das estações vem diagramada a seguir. Para visualizar os dados, selecione com o mouse.

Apesar de existirem hoje duas posições políticas antagônicas defendidas pelos países com interesse na Antártida (a territorialista e a não-territorialista), onde os defensores da posição territorialista [Argentina, Austrália, Chile, França, Noruega, Nova Zelândia e Reino Unido] alegam que o continente antártico é passível de apropriação e de ser submetido à soberania e jurisdição nacionais, e os não territorialistas, dentre eles o Brasil, que não reivindicam nem aceitam qualquer reivindicação territorial, preferindo a liberdade de atuação em qualquer setor da Antártida, outra corrente de pensamento, contrária ao Tratado da Antártida, defende a transformação desse continente em patrimônio comum da Humanidade, sob a tutela das Nações Unidas.


Em 3 e 4 de outubro de 1991, realizou-se em Madri a XI Reunião Consultiva Especial do Tratado da Antártida, com a aprovação do Protocolo sobre Proteção Ambiental. Todos os 27 países consultivos assinaram o termo apelidado de Protocolo de Madri, o qual entrou em vigor em 1998. O documento torna a região uma reserva natural dedicada à paz e à ciência, proibindo por 50 anos a exploração econômica dos recursos minerais. As atividades humanas no local foram regulamentadas através de normas de conduta que basicamente começam pela palavra "NÃO", tais como:
  • não tocar nos animais (nem mesmo se aproximar demais deles), e não coletar seus ovos;
  • não pisar nem no mais simples dos musgos, os quais se formam no verão em algumas rochas nuas;
  • não tocar, nem coletar quaisquer plantas;
  • não entrar nas áreas de pesquisa cientifica, exceto se autorizado oficialmente;
  • não usar os refúgios de emergência a menos que realmente seja uma emergência, e se precisar usar algo desses abrigos (roupas, comida, equipamentos), avisar o mais rapidamente possível à base mais próxima;
  • não fumar, nem produzir fogo porque o clima da Antártida é um dos mais secos do mundo e qualquer faísca pode se transformar em um incêndio;
  • não deixar nada além de pegadas;
  • não tirar nada mais do que fotos;
  • não usar armas de quaisquer tipos;
  • não levar para a região seres estranhos ao ecossistema.
Fontes: A Short History of the 20th Century - Geoffrey Blainey; How Stuff Works?; antartida.kit.net.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

II GUERRA MUNDIAL- NORMANDIA

1944 - 20 de agosto. Soldados americanos recém-chegados ao que restou da cidade de Argentan, na Normandia (norte da França) comemoram, em frente a uma agência de empregos de alemães, a retirada do inimigo e também o fechamento do negócio.


Fonte: Citizen Soldiers - Stephen Edward Ambrose.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

OCTACILIO FONTANA- REPORTANDO E COMENTANDO O FUTEBOL BAJEENSE.

Eu já tencionava, há muito tempo, escrever sobre esse cara. Bem pouca coisa, senão faltaria espaço. Ia escrever, mas ainda não sabia quando. Há uns dias tive vontade de fazê-lo, em seguida achei melhor abordar outro tema [que no fim das contas vai ficar para depois]. É que neste blog aqui, em "FUTEBOL: O PAPAI NOEL VEM DE AZUL", um velho conhecido que não encontro há uns 25 anos, fez um comentário referindo-se a uma expressão que eu ia [e vou] usar nesta postagem. Ela (a expressão) diz respeito à pessoa que empresta o nome a esta matéria. Aproveitando o embalo, reapresento, abaixo, a manifestação desse amigo e vou deslanchando o assunto dentro do assunto, se é que dá para entender.

"Caro Sérgio - Que legal encontrar o teu blog. Você é filho do "homem que comenta porque sabe comentar", o velho Otacílio, que me levava pela mão até a Rádio Cultura, a ZYG4, onde assistia ele - "ao vivo" - comentar futebol. Muito bom o teu blog. Dá uma olhada no meu e terás informação de mim. É http://www.valacir.com/ - um abraço - Valacir."

"O homem que comenta porque sabe comentar". Assim era o preâmbulo do locutor da Rádio Cultura (ou Difusora, dependendo da temporada), anunciando o comentário esportivo diário de Octacílio Fontana (Rio Pardo, RS/1922 - Bagé, RS/1990), que atuava também como comentarista durante as jornadas futebolísticas do GE Bagé ou Guarany FC. Foi assim durante cerca de três décadas (começou no rádio lá pela metade dos anos 50 e atuou, que eu me lembre, até 1987), tendo iniciado como repórter de campo e, trabalhado [de graça] por uma ou por outra emissora, de acordo com a política adotada pelo departamento de esportes de cada uma, em cada temporada.
Sempre dizia que ia parar no fim de cada ano, "deixar para os mais novos" - exatamente como o fez quando era aspirante do Guarany FC, antes da sua era no rádio, recusando proposta para atuar nos profissionais e preferindo dar continuidade à carreira de Servidor Público da VFRGS - mas nos meses de dezembro, invariavelmente, recebia uma visita "inesperada" do Edgar Muza, Chefe da Equipe de Esportes contratado por uma das três rádios: Cultura, Difusora ou Clube (emissora que passou a transmitir futebol somente a partir dos anos 80). Solidário ao amigo Muza e ainda incapaz de abandonar o vício de analisar os jogos, mesmo que esses já não fizessem nem sombra ao bom futebol desenvolvido pelas equipes bajeenses em outros tempos, lá ia o homem de novo comentar.
Tive a oportunidade de conhecer a maioria dos seus companheiros de jornada, pois sempre que possível - especialmente quando não enchia o saco dele (meu pai) durante a semana - "grudava" nele e ia aos jogos do Guarany ou do Bagé ou, às vezes, o acompanhava até a rádio para a apresentação do comentário diário que era "ao vivo". Assim me familiarizei com narradores esportivos, repórteres de campo, apresentadores de programas, plantonistas de esportes, instaladores de equipamentos, controladores de som e estagiários, e a memória me permite citar profissionais como: Mário Codevilla; Nelson Moura; Délcio Moura; Roberto Burns; Vacionir Lopes; Edgar Muza; Nilton Sol; Roberto Azevedo; Sivaldo Souza; João Bosco Rodrigues; João Bosco Vaz; Paulo Medina; e o Professor Frederico Petrucci (que também foi meu professor de Geografia no Colégio Auxiliadora).
As photos que eu achei nos arquivos familiares valem mais do que palavras. Bons tempos aqueles.

Esta aqui eu já publiquei outro dia (09/07/2008). É a equipe de esportes da Rádio Cultura, em 1955, onde, da esquerda para a direita aparecem Octacílio Fontana, Mário Codevilla, Nelson Moura, Roberto Burns e Roberto Azevedo.
As próximas três são entrevistas com atletas à beira do gramado, respectivamente: Juarez, do EC Floriano (hoje, EC Novo Hamburgo - 1955); Tupanzinho, do GE Bagé (1956); e Sérgio Cabral, do Guarany FC (1956).


Abaixo, churrasco do Guarany FC, realizado em 19/04/1961, em comemoração aos 54 anos do clube. No registro fotográfico aparecem, da esquerda para a direita: Suñe; Calvet I; Polaco; Rubilar; e Octacílio.

Aqui, no controle do movimento da linha Bagé-Cacequi, decifrando e transcrevendo mensagem telegráfica (em MORSE) para o caderno de escala de trens da VFRGS.
E no flagrante de rua, em 1966, uma conversa no café (na Avenida Sete de Setembro, ao lado da Ferragem Rocha) sobre os próximos enfrentamentos do Guarany FC no campeonato gaúcho daquele ano, e do GE Bagé, então na segunda divisão de profissionais.

E para fechar a história, o registro a seguir é de dezembro de 1981, e é da equipe da Rádio Difusora de Bagé, que naquele ano completou 25 anos.


De pé, atrás, da esquerda para a direita: Vagner; Octacílio Fontana; Paulo Médici; Luís Carlos; Padre Fredolin; Dilélio; Domingos.
Na fila seguinte: Paulo Kaiser; Sandra; Antônio Pimenta; Dulce Mara; João Henrique; Frederico Petrucci; Vicente Gallo.
Abaixados: Girassol; Carlos Alberto (o Bozó); Felipe; Sivaldo Souza.
Nas laterais: esposa do Lucena e Lucena (sentados); e Lourdes Gallo (de pé).
Clique nas fotos pequenas que elas crescem.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

NEGRÃO

Este aí é o Negrão. Ele nasceu neste século e há uns cinco ou seis anos mora na J.K. de Oliveira, s/n, próximo ao Hipermercado BIG, em Pelotas, RS. É um cachorro de rua admirado por todos os que residem nas redondezas e o conhecem. Extremamente dócil com as pessoas e a sua segunda namorada [a primeira morreu há uns dois anos, envenenada], não admite que outros cães errantes invadam o seu bem marcado território.










Entre o período da propaganda eleitoral, em 2008, e as comemorações deste ano novo, Negrão andou desaparecido. Estranhei a sua ausência, mas depois, tendo constatado o seu retorno, compreendi que o objetivo dele era fugir do barulho dos foguetes que nesse local da cidade pipocam com maior intensidade, principalmente durante as campanhas eleitorais.
E só para constar, informo que Negrão, há uns anos atrás, foi adotado por uma família de humanos, mas não se adaptou ao pátio, nem ao tratamento VIP que recebia e resolveu voltar, por conta própria, ao seu antigo lar que é a rua.

domingo, 4 de janeiro de 2009

ABBEY ROAD, UNS 40 ANOS DEPOIS.

O objetivo aqui era reeditar a performance dos Beatles em "Abbey Road", lançado em setembro de 1969. A idéia foi de Maurício Fontana, o fotógrafo da vez. Só que ele não lembrava em que posição deveria ficar o cara que atravessava a rua de pés descalços. Imaginamos que esse seria o último da fila, mas erramos, conforme dá para ver na foto original. O de pés descalços era o penúltimo, mas valeu mesmo assim. O local é o Aeroporto de Bagé, RS.
Os mortais, da direita para a esquerda: Denise Bechuetti, Anete Herreira, Bruno Bechuetti e Sergio Fontana.

Na sequência, os imortais: John, Ringo, Paul e George.