quarta-feira, 28 de julho de 2010

APOLLO 11: SEGREDOS REVELADOS- parte III

APOLLO 11: SEGREDOS REVELADOS- parte IV

APOLLO 11: SEGREDOS REVELADOS- parte V

O FUSCA ELÉTRICO


Ashton Stark, um americano de 14 anos, resolveu ajudar o Mundo a produzir energia limpa. Com um ano de trabalho e 4 mil dólares, ele desmontou o motor de um Fusca/1972, do avô, e adaptou ao veículo um motor elétrico.
Ele afirma que com 9 (nove) baterias de 8 (oito) Volts dá para manter o automóvel em movimento. A autonomia [sem recarregar] é de 80 Km.


GAÚCHO AZARADO

Colaboração: Eduardo Martins
Estava o gaudério em sua estância trabalhando, quando olhou para o relógio e exclamou, assustado:

- "A las frescas! Tô mais atrasado que tartaruga em desfile de lebre! O fandango começa daqui a pouco, tchê!"

Apressadíssimo, o gaúcho correu para a casa e no caminho falou pro guri que trabalhava na fazenda:

- "Piá! Encilha ligeiro um animal pra mim que eu tô loco de atrasado pro baile!"

E o menino fez o que o gaudério mandou.

O gaúcho montou e se mandou correndo para chegar em tempo no baile.

No caminho resolveu pegar um atalho que, diziam, tinha assombração. Mesmo assim ele não quis saber.

De repente, no meio do mato, surgiu o diabo, o capeta em pessoa.

O gaudério, mais branco que lenço de padre, se cagou todo:

- "Coisa ruim! Por favor não me mate, tchê!"

- "Calma gaúcho! - respondeu o tristonho - Pelo contrário! Pela tua audácia de cruzar este caminho, vou te conceder três pedidos. Pede o que quiseres."

- "Ah, é assim? Pois então QUERO TER UM ROSTO DE GALÃ DE CINEMA; QUE A MINHA GUAIACA FIQUE CHEIA DE DINHEIRO; E QUERO TER UM ORGÃO SEXUAL IGUAL AO DESTE ANIMAL QUE ESTOU MONTANDO!"

- "Pode ir pro baile - disse o demo - vou te atender os desejos."

E o Gaudério chegou no fandango, atiçado. Foi pro banheiro conferir o resultado dos pedidos:

Primeiro olhou no espelho e tava com o rosto do Tom Cruise;

Depois abriu a guaiaca e era dinheiro que não cabia mais...;

Finalmente baixou a bombacha pra conferir o terceiro pedido e...

-"PIÁ DE MERDA!!!!... ME ENCILHOU A ÉGUA!!"

terça-feira, 27 de julho de 2010

EUA E REINO UNIDO SÃO OS DONOS DO MUNDO?

Nem me dei ao trabalho de analisar e resumir com minhas próprias palavras a matéria que reproduzo a seguir. É de assustar qualquer pessoa de bom senso, saber que as armas de destruição mais poderosas fazem parte do arsenal de países que se julgam donos do planeta Terra.

Que cada um tire suas próprias conclusões.


Ex-inspetor alertou sobre falta de provas para guerra no Iraque.
terça-feira, 27 de julho de 2010 16:45 h.
[Charge+-+não+há+armas+quimicas.jpg]
Charge: http://carzem.blogspot.com/2008/11/charges-sobre-guerra-do-iraque.html

Por Mohammed Abbas

LONDRES (Reuters) - O ex-inspetor de armas da ONU Hans Blix disse nesta terça-feira que alertou em 2003 os Estados Unidos e a Grã-Bretanha sobre sua falta de convicção na existência de armas proibidas no Iraque, o que não dissuadiu Londres e Washington de invadirem o país.

Blix disse a uma comissão de inquérito britânica que o Iraque em 2003 não era uma ameaça ao mundo, e que os anos de anarquia como consequência da invasão podem ter sido piores do que a tirania exercida antes pelo ditador Saddam Hussein.

"O Iraque estava em perigo em 2003? Não estava em perigo. Eles estavam praticamente prostrados (...). Em vez disso o que eles tiveram foi um longo período de anarquia. E uma conclusão que eu tentaria tirar é de que a anarquia pode ser pior que a tirania", disse ele.

Na época da invasão, os EUA e a Grã-Bretanha argumentavam que o regime de Saddam possuía armas de destruição em massa, que no entanto jamais foram encontradas. O inquérito tem questionado duramente a invasão realizada por norte-americanos e britânicos.

Blix há anos critica a decisão de invadir o Iraque. Ele disse no inquérito que os EUA pareciam "embriagados" com seu poderio militar, e que o cronograma norte-americano estava "fora de sincronia" com o cronograma diplomático, já que sua equipe precisaria de mais tempo para realizar inspeções no Iraque.

"Conversei com o (então) primeiro-ministro (Tony) Blair em 20 de fevereiro de 2003, e disse que ainda achava que havia itens proibidos no Iraque, mas ao mesmo tempo nossa crença na inteligência (informações sobre a existência de armas) havia sido enfraquecida", disse Blix.

"Eu disse a mesma coisa a Condoleezza Rice (então secretária de Estado dos EUA). Certamente dei alguns alertas de que as coisas haviam mudado", acrescentou.

Antes da invasão, Blix havia criticado o regime iraquiano pela falta de transparência a respeito de seus programas militares, mas ele alegou que isso não poderia servir como justificativa para a invasão.

Os EUA e a Grã-Bretanha tentaram convencer o Conselho de Segurança da ONU a aprovar a invasão do Iraque. Sem sucesso, alegaram que resoluções anteriores do Conselho já justificavam a invasão.

"Quando (Rice) diz que a ação militar simplesmente estava mantendo a autoridade do Conselho de Segurança, isso me parece totalmente absurdo", declarou Blix.

O sucessor de Blair, Gordon Brown, determinou no ano passado a realização do inquérito para tirar lições da guerra do Iraque. A comissão é presidida pelo ex-servidor público John Chilcot.

Fonte: Reuters.

Irã:
Ahmadinejad prevê ataque dos EUA a dois países do Oriente Médio.
Iraniano diz ter "informações precisas" de que ação acontecerá nos próximos três meses.


"Os americanos incubaram um plano em que travam uma guerra psicológica contra o Irã", disse Ahmadinejad (AFP)
[Charge+-+isso+é+democracia.jpg]

O presidente do Irã Mahmoud Ahmadinejad disse à emissora estatal Press TV que prevê uma ação militar americana contra "pelo menos dois países” do Oriente Médio nos próximos três meses. Na entrevista, ele não esclareceu se o Irã seria um dos países atacados, nem qual foi a origem das informações. "Temos informações muito precisas de que os americanos têm um plano, segundo o qual eles travam uma guerra psicológica contra o Irã", disse Ahmadinejad.

Estados Unidos e Israel não descartam a possibilidade de uma ação militar para conter o suposto desenvolvimento de armas nucleares iranianas. Israel, que supostamente possui o único arsenal nuclear do Oriente Médio, já bombardeou alvos nucleares do Iraque, em 1981, e da Síria, em 2007.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se refere à possibilidade de o Irã desenvolver uma arma nuclear como "a máxima ameaça terrorista" ao Estado judeu. Seu vice, Moshe Yaalon, diz que Israel ampliou suas capacidades militares para eventual uso contra inimigos em Gaza, Líbano, Síria e Irã.

Diplomacia - Ahmadinejad também criticou as ofensivas diplomáticas, dos Estados Unidos e União Europeia, após a aprovação de sanções contra o seu país. Na última segunda-feira, a UE aprovou uma nova rodada de punições ao Irã, incluindo a proibição de negociações com bancos e companhias de seguros iranianos e o bloqueio de investimentos nos setores de gás natural e petróleo. "A lógica de que eles podem nos convencer a negociar por meio de sanções é simplesmente um fracasso", disse o presidente.

Rússia - O Ministério de Relações Exteriores russo disse nesta terça-feira por meio de um comunicado que também não concorda com as sanções da UE e que o uso dessas medidas fora da estrutura do Conselho de Segurança da ONU é "inaceitável."

O texto afirma que as sanções “não apenas minam nossos esforços conjuntos para buscar um acordo político e diplomático sobre o programa nuclear iraniano, mas também mostram desprezo pelas provisões cuidadosamente calibradas e coordenadas das resoluções do Conselho de Segurança da ONU". As críticas russas atrapalham as esperanças de uma cooperação mais próxima entre Moscou e o Ocidente sobre a questão.

Sanções - As medidas da UE foram aprovadas 25 dias depois de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sancionar um projeto de lei para impedir que empresas ligadas a Guarda Revolucionária iraniana façam negócios nos Estados Unidos.

As restrições unilaterais visam reforçar a quarta rodada de sanções da ONU contra o Irã, aprovada em 9 de junho. O Brasil e a Turquia, que são membros provisórios do Conselho de Segurança e não têm direito a veto, votaram contra as medidas.

Fonte: Reuters.

NOSTRADAMUS E O FESTIVAL MPB

Em 1980 a TV Globo realizou o 1º Festival Da Nova Música Popular Brasileira que teve a direção de Augusto César Vanucci.
As semi-finais ocorreram no Teatro Fênix e a finalíssima no Riocentro (RJ).

No final "salvaram-se" as seguintes:
  • 1º lugar: "AGONIA", de Mongol, com Oswaldo Montenegro;
  • 2º lugar: "FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ", de Luiz Ramalho, com Amelinha;
  • 3º lugar: "A MASSA", de Raimundo Sodré e Antônio Jorge Portugal, com Raimundo Sodré.

Outras músicas também receberam prêmios, conforme descrito a seguir:
  • Melhor Arranjo: Quinteto Violado, com "RIO CAPIBARIBE";
  • Melhor Intérprete: Jessé, com a música [favorita da minha amiga Simone Nunes] "PORTO SOLIDÃO".
Destaques:
  • Sandra [de] Sá, com "DEMÔNIO COLORIDO";
  • Joyce, com "CLAREANA";
  • Grupo Exporta Samba, com "REUNIÃO DE BACANA";
  • Baby Consuelo [do Brasil], com "O MAL É O QUE SAI DA BOCA DO HOMEM";
  • [E]Duardo Dusek, com "NOSTRADAMUS".

Para mim a maior de todas foi "NOSTRADAMUS", com Eduardo [que na época se intitulava "Duardo"] Dusek, vestido de anjo. A edição de vídeo a seguir, com narração de Cissa Guimarães, nos envia [pelo túnel do tempo] para 30 anos atrás.

Naquela manhã
Eu acordei tarde, de bode
Com tudo que sei
Acendi uma vela
Abri a janela
E pasmei

Alguns edifícios explodiam
Pessoas corriam
Eu disse bom dia
E ignorei

Telefonei
Pr'um toque tenha qualquer
E não tinha
Ninguém respondeu
Eu disse: "Deus, Nostradamus
Forças do bem e da maldade
Vudoo, calamidade, juízo final
Então és tu?"

De repente na minha frente
A esquadria de alumínio caiu
Junto com vidro fumê
O que fazer? Tudo ruiu
Começou tudo a carcomer
Gritei, ninguém ouviu
E olha que eu ainda fiz psiu!

O dia ficou noite
O sol foi pro além
Eu preciso de alguém
Vou até a cozinha
Encontro Carlota, a cozinheira, morta
Diante do meu pé, Zé
Eu falei, eu gritei, eu implorei:
'Levanta e serve um café
Que o mundo acabou!'


Nostradamus
Eduardo Dusek
Composição: Eduardo Dusek

Fontes: http://letras.terra.com.br; www.milvinil.com; YouTube; MofoTV; Rede Globo.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O FAROL DE BELL ROCK E O SEMÁFORO

1804. A perda de um navio de guerra, o HMS York, e toda a sua tripulação, levou o parlamento britânico a dar crédito a um projeto caro e ousado, idealizado sete anos antes pelo engenheiro escocês Robert Stevenson. Ele propunha a construção de um farol em Bell Rock, uma afloração rochosa em alto mar a 18 km da costa leste escocesa, responsável pelo desaparecimento de quase uma centena de navios durante vários invernos, contados a partir do início do século XVIII.

Era difícil construir alguma coisa alí porque quando a maré enchia as rochas ficavam submersas, porém a idéia de Stevenson foi posta em prática. E o farol começou a ser erguido em 1807.

Ao efetuar testes de transparência com vidros coloridos, Stevenson chegou à conclusão que o vermelho era o que deixava passar mais luz. A luz era gerada por queimadores Argand, com óleo suficiente para 18 horas de iluminação. Assim, no primeiro dia de fevereiro de 1811, brilharam, pela primeira vez, as luzes rotativas [que se alternavam entre as cores vermelho e branco] do Bell Rock, o qual passou a proteger [da fúria das rochas] todas as embarcações que desfilam pelo Mar do Norte num raio de 55 Km.


É possível que a eficiência do farol de Bell Rock tenha inspirado os britânicos londrinos a utilizar os serviços de semáforos em suas esquinas mais movimentadas a partir de 1868, quando lanternas verdes e vermelhas para organizar o fluxo de carruagens e pedestres passaram a ser utilizadas por lá.

Em 1914, quase meio século depois, os americanos da cidade de Cleveland começaram a utilizar os mesmos sinais, porém com luzes elétricas controladas por guardas que se revezavam em pontos estratégicos.

Em 1917 a luz amarela foi acrescentada aos sinais de trânsito de Detroit, e seis anos mais tarde o americano Garret Morgan inventou a sinaleira automática, parecida com a que conhecemos hoje.

Fontes: http://www.bellrock.org.uk/; revista Mundo Estranho- junho/2002.

Posted by Picasa

domingo, 25 de julho de 2010

OS TIMES DOS SONHOS III

SANTOS FC
Apesar do título acima, este não é um "time dos sonhos". Dentre todos os citados é o único que existiu de verdade, e a foto [sem arranjos] esta aí para provar.

Do site do Santos FC: "O Santos de Pelé fez seu nome no exterior. Praticamente deu a volta ao mundo, encantando torcedores com o futebol mágico de seus craques. Formou um ataque memorável: Dorval, Mengávio, Coutinho, Pelé e Pepe. Nesse período, o Santos foi Bicampeão Mundial Interclubes (1962/1963), Bicampeão da Taça Libertadores da América (1962/1963), entre outras glórias."
Posted by Picasa

COLIGAY

Janeiro de 2006. A revista Imortal Tricolor nº 3, do Grêmio FBPA, destacou, nas páginas 24 e 25, a Coligay, uma torcida organizada 30 anos antes que contribuiu, de verdade, para espantar [de vez] dos estádios de futebol o preconceito dirigido contra os homossexuais.
Reproduzo abaixo, na íntegra, o texto de Lúcia Brito que dá a exata dimensão do pioneirismo desses valorosos e corajosos torcedores gremistas.
Foto: revista Placar


"O ano era 1976. O Brasil vivia sob a ditadura militar e não eram tempos dos mais arejados. Era preciso ser muito macho para sair do armário e revelar a preferência sexual alternativa. Que dizer então de sair no maior modelão e ir para um estádio de futebol, reduto praticamente exclusivo de homens com H, onde as poucas mulheres que se aventuravam a entrar eram alvo de grosserias do mais baixo nível.

Pois foi em 1976 que surgiu a Coligay, torcida organizada gremista nascida na boate Coliseu, uma célebre casa gay de Porto Alegre. Os cerca de 60 integrantes da Coligay logo se destacaram entre a massa gremista pela animação – cantando, gritando, pulando e rebolando o tempo todo – e pelo figurino extravagante, com túnicas sedosas esvoaçantes, plumas, paetês e muito, muito glamour. Tudo em preto, azul e branco, é claro. Porque para ser da Coligay tinha que ser gay e gremista. Teve gays não-gremistas que tentaram se infiltrar, mas foram vetados.

Os conservadores, revoltados com o inusitado atentado à macheza gaúcha, dividiram-se entre chocados e irados. Teve quem pensasse em partir para a repressão, mas essa gente preconceituosa foi avisada de que não havia embasamento legal – pelo contrário. Então os descontentes tiveram que se contentar em franzir a carranca ou ignorar os rapazes alegres.

Por outro lado, a empolgação da Coligay – turbinada por uma potente charanga – conquistou uma minoria de simpatizantes héteros, que se bandearam para perto dela para curtir o fervo. Porque o que realmente diferenciava a torcida gay era a animação e o bom humor.

A revista Placar fez uma reportagem sobre a Coligay em 1977, e o líder da torcida e gerente da Coliseu, Volmar Santos, contou que decidiu organizar a sua turma porque achava os outros torcedores do Grêmio frios e apáticos: 'Eles só incentivam quando o time vai bem. E é lógico, quando parti para recrutar gente, tinha de pensar em gente como eu. Acho que a nossa classe é a mais animada, mais descontraída por natureza, não é verdade?'

Na entrevista para a Placar, Volmar disse que os integrantes da Coligay eram 'gente de fino trato', que a torcida tinha o apoio de pessoas importantes da sociedade que não queriam se expor e deu seu recado para os críticos: 'O que eles não entendem é que antes de tudo somos gremistas, que vibramos de paixão pelo nosso clube. Toda essa turma que está aí já vinha ao estádio há muito tempo, e a única diferença é que agora estamos reunidos, torcendo numa boa, na nossa.'

Imortal Tricolor decidiu prestar uma homenagem aos corajosos gremistas gays que foram à luta de seu direito de torcer para o time do coração dentro dos estádios. Porque a Coligay não ficou só no Olímpico, mas também sacudiu as arquibancadas do Bento Freitas e da Boca do Lobo em Pelotas, do Alfredo Jaconi em Caxias, do Volmar Salton em Passo Fundo, da Baixada Melancólica em Santa Maria e da Pedra Moura em Bagé. Uma frase de Volmar Santos resume a questão: 'Pela primeira vez num estado machista como o nosso os homossexuais se manifestaram em público. Não é pouca coisa, não?' "

Lúcia Brito

Fonte: Revista IMORTAL TRICOLOR nº 3, pgs. 24/25.
Posted by Picasa

sexta-feira, 23 de julho de 2010

OS TIMES DOS SONHOS II

CR VASCO DA GAMA

BOTAFOGO FR

FLUMINENSE FC

CLUBE ATLÉTICO MINEIRO
Posted by Picasa

BARBARISMOS E O INTERNETÊS

Há uns dias, acordei de madrugada e, sem mais nem menos, uma palavra me veio à mente: "BARBARISMO". Ajeitei-me melhor na cama, recostando-me ao travesseiro que a essa altura já estava em uma posição semelhante à de um encosto de sofá, e imaginei que tinha escutado esta palavra pela primeira vez em uma aula de português do Padre Lino Fistarol, no Colégio Auxiliadora, em Bagé, RS, há algumas décadas. Se não me trai a memória é possível que ele tenha dito que o uso do termo nasceu lá pelo império romano, na época das invasões bárbaras, e deu uma explicação que pode ter sido mais ou menos assim:

"Alanos, anglos, godos, saxões, vândalos, e outros povos mais, eram considerados bárbaros pelos romanos. Com as tais invasões, o latim, língua falada por todo o império romano do ocidente, sofreu mutações na sua grafia e pronúncia, rompendo-se, com o passar do tempo, a uniformidade lingüística de outrora. Os romanos passaram a usar a expressão 'barbarismos' em referência às mudanças no modo de falar e nos costumes, em geral, promovidos pelos povos bárbaros".
Da penumbra do quarto, saltei, de imediato, para a luz do meu bagunçado escritório, e descobri que o "barbarismo" [de dicionário] é um vício de linguagem que consiste em usar uma palavra errada quanto à grafia, pronúncia, significado, flexão ou formação.

Concluí, em seguida, que os tais "barbarismos", na prática, são as metamorfoses indesejadas [ou não] originárias da ignorância associada à falta de escolaridade, do talento duvidoso de escritores, colunistas de revistas, jornais, blogs (e dentre estes me incluo), e do uso exagerado de expressões em "internetês"- praga roedora de palavras, cuja disseminação é impossível combater.

E como o que não tem remédio, remediado está, dei o caso por encerrado e voltei a dormir.

OS TIMES DOS SONHOS

Colaboração: Nelson C.C. Martins

SC CORÍNTHIANS PAULISTA

CRUZEIRO EC

CR FLAMENGO

GRÊMIO FBPA

SC INTERNACIONAL

SE PALMEIRAS

SÃO PAULO FC

Posted by Picasa

quarta-feira, 21 de julho de 2010

PLAYBOY PORTUGUESA- COMEÇO, MEIO E FIM

Parece que a Playboy portuguesa vai ter vida curta. A capa que mostra Jesus e uma mulher nua, homenageando o livro "Evangelho segundo Jesus Cristo", de José Saramago, causou tanta polêmica que a Playboy Entertainment anunciou [em 8 de julho] que vai rescindir o contrato com a versão de Portugal por causa disto.

Em março/2009, quando foi lançado o primeiro exemplar, a Playboy lusitana dava mostras de que faltava um certo tempero de sensualidade já na capa, apesar da beleza não desprezível da modelo. As capas das edições que se seguiram também deixaram algo a desejar, mas esta aí que será provavelmente a última, se não peca por mexer com significados religiosos, peca pela falta de criatividade ou, dependendo do ponto de vista, pelo exagero simplório.
Em outras palavras: revista de mulher pelada, em português, só as importadas do Brasil, ou seja, é melhor deixar essas coisas para quem sabe fazer.

II GUERRA MUNDIAL- O YORKTOWN EM CHAMAS

1942, 4 de junho. Uma densa nuvem de fumo, resultante da ignição dos gases que escaparam por conta de uma grande explosão provocada pelas bombas dos aviões japoneses, sinaliza que as avarias são irrecuperáveis.
Os tripulantes do Yorktown- um gigante com 809 pés de comprimento por 83 pés de largura- a essa altura, já dão por perdida a embarcação, e em pouco mais de meia hora vão abandonar o porta-aviões americano que ficará à deriva, à disposição do inimigo que não tardará em afundá-lo.
A Batalha de Midway. II Guerra Mundial- Campanhas Dia a Dia. Chris Bishop & Chris McNab.

Clique na foto para o zoom.
Posted by Picasa

DON'T LET ME BE MISUNDERSTOOD- SANTA ESMERALDA

¿Quem de vós nunca ensaiou [em algum lugar, sob luz difusa] o "passo do elefantinho" com esta música aí?

terça-feira, 20 de julho de 2010

MILONGA DE LOS MORENOS- VITOR RAMIL

Milonga de los Morenos, com participação de Caetano Veloso, faz parte de Délibáb, um projeto do cantor, compositor, escritor, músico e poeta Vitor Ramil que reúne músicas compostas por ele a partir dos poemas do argentino Jorge Luis Borges (1899/1986) e dos versos do brasileiro João da Cunha Vargas (1900/1980).
Délibáb, segundo Vitor, é uma expressão húngara que, traduzida a grosso modo, quer dizer miragem. A origem literal refere-se à junção das sílabas “deli” (do sul), mais “bab” (ilusão). O fenômeno ocorre, de verdade, nas planícies da Hungria.

(ÁUDIO)

(intro) D A

D A
Alta la voz y animosa
A7 D
como si cantara flor,
A
hoy, caballeros, le canto
A7 D
a la gente de color.

D A
marfil negro los llamaban
A7 D
los ingleses y holandeses
A
que aquí los desembarcaron
A7 D
al cabo de largos meses.

G D13
en el barrio del retiro
G D13
hubo mercado de esclavos;
G A
de buena disposición
A#º Bm
y muchos salieron bravos.

G D13
de su tierra de leones
G D13
se olvidaran como niños
G A
y aquí los aquerenciaron
G D
la construmbre y los cariños.

D A
cuando la pátria nació
A7 D
una mañana de mayo,
A
el gaucho solo sabía
A7 D
hacer la guerra a caballo.

D A
alguien pensó que los negros
A7 D
no eran ni zurdos ni ajenos
A
y se formó el regimiento
A7 D
de pardos y de morenos.

G D13
el sufrido regimiento
G D13
que llevó el número seis
G A
y del que dijo ascasubi:
A#º Bm
"más bravo que gallo inglés".

G D
y aí fue que en la otra banda
G D
esa morenada, al grito
A A#º
de soler, atropelló
Bm G
en la carga del cerrito.

D A
Martín Fierro mató un negro
G
y es casi como si hubiera
D
matado a todos. sé de uno
que murió por la bandera.

D A
de tarde en tarde en el sur
A7 D
me mira un rostro moreno,
A
trabajado por los años
A7 D
y a la vez triste y sereno.

D A
¿a qué cielo de tambores
A7 D
y siestas largas se an ido?
A
se los ha llevado el tiempo,
A7 D
el tiempo que es el olvido.

OS BRASINHAS DO ESPAÇO

Os Brasinhas do Espaço fizeram parte dos meus desenhos favoritos antes da "descoberta" do Urso do Cabelo Duro.

A série, produzida por Hanna-Barbera lá pela segunda metade dos anos 60 e apresentada no Brasil na década seguinte, mostrava como era a vida de uns escoteiros mirins que moravam em uma estação espacial. Todos os dias eles eram atazanados por um pirata do espaço conhecido como Capitão Gancho, e seu ajudante Estática.

A seguir, um dos episódios da série, obtido no canal YouTube.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

CLUBE DO REMO- O TIME DE 1974

1974. O Campeonato Nacional não terminou bem para o Clube do Remo que ficou em 28º lugar, dentre 40 clubes. A salvação da lavoura seria o Campeonato Estadual no segundo semestre. Então !
O Remo passou invicto pelo Campeonato Paraense, apesar de ter perdido o primeiro turno para o Paysandu e o terceiro [nos pênalties] para o Tuna Luso. Na fase decisiva- o triangular final- derrotou o Paysandu (2 a 0) e o Tuna Luso (1 a 0), e ganhou o bi-campeonato com o ataque mais positivo (32 gols) e a defesa menos vazada (6 gols). O artilheiro da competição foi o centroavante Alcino, com 12 gols.

De tanto fazer gols pelo Remo, o goleador Alcino, um gigante com quase 2 metros de altura, chamou a atenção do Grêmio FBPA, que o contratou no começo de 1976. O cronista Paulo Sant'anna, torcedor-símbolo do tricolor gaúcho, entusiasmou-se [à época] com a contratação do avante, e o cognominou de "Alcino- a estrela de Belém".

O time-base do bi-campeão formava com:
Dico; Rosemiro, Rui Azevedo, China e Cuca; Elias, Roberto e Mesquita; Caíto, Alcino e Neves.
Na foto acima [obtida da revista Placar] aparecem: de pé- Rosemiro, Elias, Dico, China, Rui Azevedo e Cuca; agachados- Caíto, Alcino, Mesquita, Roberto e Neves.
Se você era um dos pequenos mascotes deste time aí e estiver nesta foto, identifique-se.
Posted by Picasa

sexta-feira, 16 de julho de 2010

O RADAR E A GUERRA SUBMARINA

1942. Desde o primeiro ano da guerra, em 1939, até o final do primeiro semestre de 42 as perdas aliadas no mar passaram de 810 mil toneladas para 8 milhões de toneladas. Os submarinos alemães e seus torpedos estavam, cada vez mais, comprometendo o transporte de suprimentos dos seus inimigos, chegando ao ponto de quase inviabilizá-lo.
Um torpedo atinge [bem no meio] um navio aliado.

No início do segundo semestre tudo mudou. A zona costeira das Américas do Norte e Central passou a ser patrulhada com maior eficiência por navios de guerra e aviões de observação. O mesmo ocorreu a partir da costa da África. Os aviões com base em terra que no começo da guerra tinham um raio de ação de 130 milhas marítimas, em 1941 passaram a alcançar 300 milhas, chegando a 600 milhas em 1942, o que na prática significava que partindo de bases distintas, da América e da Grã-Bretanha, por exemplo, era possível cobrir quase toda a extensão do Atlântico norte. Isso obrigou os submarinos do Eixo a transferirem suas atividades mais para o sul, e aí começaram a se intensificar os ataques a navios mercantes brasileiros.
Os tripulantes dos submarinos, a essa altura, estavam ficando intrigados e com distúrbios psicológicos com a freqüência com que vinham sendo atacados pelos aviões aliados. Navegando sobre a superfície ou abaixo dela [o suficiente para visualizar o horizonte com o periscópio], longe de possíveis atacantes e de quaisquer comboios mercantes, eis que de repente surgia [dentre as nuvens] um avião hostil que descarregava suas bombas de profundidade e/ou projéteis de metralhadora sobre o unterseeboot. De alguma forma os ingleses ou americanos estavam conseguindo detectar a presença dos submarinos, por onde quer que fossem e onde quer que estivessem, e a resposta para a crescente eficiência dos aliados, de conseqüências desastrosas para os submarinistas alemães, era a utilização do RaDAR (Radio Detecting And Ranging).
Um submarino é atacado por um avião aliado. Junto à torre do unterseeboot, dois tripulantes tentam se proteger.

A aplicação dessa formidável "arma" na luta anti-submarina, aliada à proteção com que quase todos os comboios passaram a navegar, também composta por um porta-aviões auxiliar, cujos aviões patrulhavam constantemente a rota dos navios, restringiu a ação dos germânicos que foram obrigados a rever seus conceitos de batalha.
O contra-veneno veio através da invenção de um aparelho denominado FuMB (FunkMessBeobachtung), ou seja, medidor de observação por rádio. Este artefato permitia [aos tripulantes dos submarinos] descobrir em que momento estariam sujeitos à detecção por radar, o que lhes dava margem suficiente para submergir a uma profundidade segura, escapando de uma provável perseguição.
O Zaunkonig, um torpedo munido por um dispositivo acústico que se dirigia automaticamente para as hélices dos navios atacados, o FaT (Federapparat Torpedo), um torpedo de longo alcance, e o LuT (Lageunabhängiger Torpedo), também de longo alcance e que podia ser programado para mudar seu curso depois de ter sido lançado, permitiram que os alemães continuassem a causar grandes estragos aos comboios dos aliados, os quais, por sua vez, continuavam a buscar alternativas para anular seus inimigos, aperfeiçoando seus ecogoniômetros, aparelhos utilizados para fazer uma varredura sonora abaixo da superfície marítima.
Os alemães então desenvolveram um recipiente que era lançado como se fosse um torpedo, mas não continha uma carga explosiva, e sim uma substância química que produzia uma grande quantidade de borbulhas. As borbulhas geravam ecos semelhantes aos dos submarinos, confundindo os operadores de ecogoniômetros aliados. Esses, em contrapartida, treinaram homens capazes de identificar os ecos falso-positivos.
Até o final da guerra, medidas e contra-medidas, de ambos os lados, ao mesmo tempo em que tornaram mais segura [ou insegura] a navegação na superfície ou abaixo dela, serviram para o progresso das táticas de guerra no mar.

E dentre os lamentáveis prejuízos à vida humana que a guerra [em geral] trouxe, algo de bom sobrou: o progresso tecnológico forçado. O radar, por exemplo, um invento aperfeiçoado em função desse esforço de guerra, constitui-se, hoje, em importante e imprescindível ferramenta para as ciências meteorológicas.

Fonte: Baseado na publicação "A Segunda Guerra Mundial". Vol. VIII. Editora Codex Ltda.

Clique nas fotos para dar o zoom.
Posted by Picasa

quinta-feira, 15 de julho de 2010

A MÁQUINA DO PADRE


O padre [paraibano] Francisco João de Azevedo (04/03/1814 - 26/07/1880), que antes de ser padre foi tipógrafo, morreu sem realizar seu sonho que era patentear a sua máquina de escrever [criada em 1861]. Conta-se que seus desenhos e anotações sobre a máquina foram roubados por um agente de negócios, e caíram em poder de um tipógrafo americano. Esse aperfeiçoou o projeto, apresentando-o a todos como se seu próprio fosse, ganhando assim o mérito de ser [oficialmente] o inventor da máquina de datilografia.

A máquina do padre foi apresentada na Exposição Industrial e Agrícola da Província de Pernambuco, em 16 de novembro de 1861. Depois foi para a Exposição Nacional do Rio de Janeiro, onde o inventor recebeu a medalha de ouro, que lhe foi conferida pelo Imperador D. Pedro II. E quando tudo estava prestes a dar certo, de verdade, os organizadores da Exposição Internacional de Londres negaram-lhe o direito de lá expor seu invento, alegando falta de espaço no pavilhão destinado ao Brasil.

Sem apoio para aperfeiçoar sua máquina, Francisco João de Azevedo resolveu voltar para Pernambuco e depois se internou na Paraíba, sua terra natal, onde passou seus últimos anos dando aula para cursos técnicos de geometria.
Uma versão da "máquina do padre" reapareceu lá pelos Estados Unidos, produzida em escala industrial por Philo Remington, em 1873, depois de ter sido adaptada por Christopher Sholes, o suposto plagiador, em 1868, de forma a permitir que os pares de letras utilizados com maior freqüência [na língua inglesa] ficassem em metades opostas do teclado. O objetivo era evitar o travamento das teclas, alternando o uso das mesmas e das mãos [esquerda e direita] no ato de datilografar.
Um sistema conhecido [até hoje] como "QWERT"- nome associado à posição das letras na parte superior do teclado- foi adotado. A maioria das máquinas e teclados de computadores [em todo o mundo] segue esse lay-out.


quarta-feira, 14 de julho de 2010

O SEGUNDO DILÚVIO

Colaboração: Denise B. F. Bechuetti

Um dia, o Senhor chamou Noé que morava no Brasil e ordenou-lhe:
- Dentro de 6 meses, farei chover ininterruptamente durante 40 dias e 40 noites, até que o Brasil seja coberto pelas águas. Os maus serão destruídos, mas quero salvar os justos e um casal de cada espécie animal. Vai e constrói uma arca de madeira.

No tempo certo, os trovões deram o aviso e os relâmpagos cruzaram o céu.

Noé chorava, ajoelhado no quintal de sua casa, quando ouviu a voz do Senhor soar furiosa, entre as nuvens:
- Onde está a arca, Noé?
- Perdoe-me, Senhor suplicou o homem. Fiz o que pude, mas encontrei dificuldades imensas:
Primeiro tentei obter uma licença da Prefeitura, mas para isto, além das altas taxas para obter o alvará, me pediram ainda uma contribuição para a campanha para eleição do prefeito.
Precisando de dinheiro, fui aos Bancos e não consegui empréstimo, mesmo aceitando aquelas taxas de juros. O Corpo de Bombeiros exigiu um sistema de prevenção de incêndio, mas consegui contornar, subornando um funcionário. Começaram então os problemas com o IBAMA e a FEPAM para a extração da madeira. Eu disse que eram ordens SUAS, mas eles só queriam saber se eu tinha um 'Projeto de Reflorestamento' e um tal de 'Plano de Manejo'. Neste meio tempo ELES descobriram também uns casais de animais guardados em meu quintal. Além da pesada multa, o fiscal falou em 'Prisão Inafiançável' e eu acabei tendo que matar o fiscal porque, para este crime, a lei é mais branda. Quando resolvi começar a obra na raça, apareceu o CREA e me multou porque eu não tinha um Engenheiro Naval responsável pela construção. Depois apareceu o Sindicato exigindo que eu contratasse seus marceneiros com garantia de emprego por um ano. Veio em seguida a Receita Federal, falando em 'sinais exteriores de riqueza' e também me multou. Finalmente, quando a Secretaria Municipal do Meio Ambiente pediu o 'Relatório de Impacto Ambiental' sobre a zona a ser inundada, mostrei o mapa do Brasil. Aí, quiseram me internar num Hospital Psiquiátrico. Sorte que o INSS estava em greve...
Noé terminou o relato chorando, mas notou que o céu clareava e perguntou:
- Senhor, então não irás mais destruir o Brasil?
- Não! - respondeu a VOZ entre as nuvens- Pelo que ouvi de ti, Noé, cheguei tarde!
O governo já se encarregou de fazer isso!

CAMISA 10- LUIZ AMÉRICO

Lá por 1972/73, depois do "tri", a seleção brasileira estava passando por momentos não muito favoráveis. A Copa de 74 estava chegando e nada do Zagalo conseguir acertar o time.
Aí surgiu "Camisa 10", do Luiz Américo, interpretada por ele mesmo.
(ÁUDIO)
YouTube/Roberto e Kika

APRENDA O CORRETO

Colaboração: Angela Madail Borges
  • Testículo.....................Texto pequeno
  • Diabetes......................Dançarinas do diabo
  • Abismado.....................Aquele que caiu num abismo
  • Pressupor.....................Colocar preço em algo
  • Missão.........................Missa prolongada
  • Padrão.........................Padre muito alto
  • Estouro........................Touro que virou boi
  • Democracia...................Sistema de governo do inferno
  • Barracão.......................Proíbe a entrada de cachorros
  • Homossexual..................Sabão para partes íntimas
  • Ministério......................Pequeno aparelho de som
  • Edifício.........................Antônimo de 'é fácil'
  • Detergente....................Ato de prender humanos
  • Armarinho.....................Vento que vem do mar
  • Eficiência......................Estudo das propriedades 'F'
  • Conversão.....................Papo prolongado
  • Barganhar......................Receber de herança um bar
  • Fluxograma....................Direção em que cresce o capim
  • Halogênio......................Cumprimento a um gênio
  • Expedidor......................Antigo mendigo
  • Luz solar.......................Sapato com luz na sola
  • Cleptomaníaco.................Fã de Eric Clapton
  • Tripulante......................Especialista em salto triplo
  • Aspirado........................Carta de baralho maluca
  • Coitado.........................Vítima de coito
  • Cerveja.........................O sonho de toda revista
  • Regime militar.................Dieta feita no exército
  • Bimestre.......................Mestre em duas artes marciais
  • Caçador........................Quem procura ter dor
  • Volátil...........................Avisa ao tio que vai lá
  • Assaltante.....................Um 'A' que salta
  • Determine......................Prender a namorada do Mickey
  • Pornográfico...................O mesmo que por no desenho
  • Coordenada....................Que não tem cor
  • Presidiário......................Que é preso todos os dias
  • Ratificar........................Tornar-se um rato
  • Suburbanos.....................Habitantes de túneis do metrô
  • Violentamente.................Viu bem devagar
  • Contribuir......................Ir com vários indios

terça-feira, 13 de julho de 2010

O CANHÃO

Foto: Luiz Armando Vaz- jornal Zero Hora/abril, 1985.


No alto do que sobrou da Fortaleza Jesus, Maria, José do Rio Pardo, o solitário canhão aponta para um alvo imaginário entre a margem esquerda e o leito do rio Jacuí, em Rio Pardo, RS.

Denominado, em função da sua inexpugnabilidade, de "Tranqueira Invicta", o forte sofreu sucessivos ataques [de índios Tapes e espanhóis] a partir de 1754, mas resistiu a todos. Entre 1756 e 1759 a fortaleza, antes constituída por paliçadas de madeira firmadas com terra compactada, cercada por um fosso com água, foi reconstruída com pedras e terra, resistindo, sob a guarda do Regimento de Dragões do Rio Pardo, a todas as investidas espanholas (1763/1776).

Nos dias de hoje não é possível identificar uma só pedra do que seriam as ruínas desse forte. Acredito que o mesmo tenha sido [aos poucos] desfigurado por ações civis e militares que ocorreram ao longo do tempo, e destruído completamente por força de acontecimentos atrelados à Revolução Farroupilha (1835/1845). Ficou o canhão.
Posted by Picasa

segunda-feira, 12 de julho de 2010

COMO EVITAR BRIGAS DE TRÂNSITO

Colaboração: Werner X. Beck

- "Daca te bagi in depasire..."- teria dito [em romeno] um dos rapazes do carro da frente.
O mesmo que dizer em português: - "Se você ultrapassar..."

II GUERRA MUNDIAL- MULHERES NA LINHA DE FRENTE

1941. A necessidade de aproveitar [da melhor forma possível] todos os recursos disponíveis, obrigou a União Soviética a convocar para a guerra também as mulheres. Aqui elas seguem para a linha de frente onde, de um modo geral, serão aproveitadas como pilotos de aviões, manobristas de tanques e franco-atiradoras.
II Guerra Mundial- Campanhas- Dia a Dia. Chris Bishop & Chris Mc Nab.
Posted by Picasa

domingo, 11 de julho de 2010

TRI-VICE

Exausto ao final da prorrogação contra a Espanha, e na posição em que "Napoleão perdeu a guerra", [Arjen] Robben, um dos craques holandeses da Copa 2010, parece não acreditar que a seleção do seu país é, pela terceira vez, QUASE campeã mundial.
Foto: Hassan Ammar/Associated Press


Posted by Picasa

O GURI DE BAGÉ

Esta aqui [publicada na sexta-feira, 09/07/2010] é do Cláudio Corrêa Falcão de Azevedo, chargista desde quando era guri pequeno, em Bagé, RS. Suas impressões bem humoradas do quotidiano bageense estão diariamente no jornal Minuano.
Guri de Uruguaiana
Charge

sexta-feira, 9 de julho de 2010

DISPÁRAME DISPARA- LAURA PAUSINI

Eu uso esta música para fazer os movimentos de alongamento e relaxamento depois da musculação.
La tele apago ya
La mariposa sin la luz cayo
Ah... me pasa a mi también
Es uno de mis limites
Por cualquier cosa caigo yo
Escalofríos siento cada vez
Me lo decías siempre tu
Siempre tu
Yo te he dicho vete
Siento el perfume de la ciudad
Donde me encierro en soledad
Este es otro de mis limites
Cuando te pienso siento que
Escalofríos me dan otra vez
He sido estúpida y lo se
Yo lo se
Yo lo se
No pienses mas en mi
Apúntame y dispara
Tu corazón he roto amor disparáme dispara
No pienses mas en mi
No esperes de mi nada
Tu corazón he roto
Amor disparáme dispara aquí... aquí
Se bien quien soy yo
Aunque no haya leído freud
Es mi manera de pensar
La que no puedo superar
Solo por esto estoy aquí
Y tu a miles de quilometros
Que dormiras no se con quien
Ahora allí
Ahora allí
No pienses mas en mi
Apúntame y dispara
El corazón te he roto
Amor disparáme dispara
No pienses mas en mi
No esperes de mi nada
El corazón te he roto
Amor disparáme dispara aquí
Aquí
Dispara aquí
Dispara
No pienses mas en mi
Apúntame y dispara
El corazón te he roto
Amor disparáme dispara
No pienses mas en mi
No esperes de mi nada
El corazón te he roto
Amor disparáme dispara aquí
Aquí
Amor dispara aquí
Amor disparáme dispara


Dispárame Dispara
Laura Pausini
Composição: Bersani / D'onghia / Dalla

ROCKET MAN- ELTON JOHN

2007, 25 de março. Elton John completa 60 anos e se apresenta no Madison Square Garden (NYC/USA). Rocket Man, foi lançada em 1972, no seu álbum Honky Château.

Fonte: YouTube