segunda-feira, 31 de outubro de 2011

HALLOWEEN

Segundo o historiador Rainer Sousa, em "História do Halloween", algumas festividades populares da Antiguidade eram cercadas pela valorização dos opostos que regem o mundo. Ele exemplificou o Carnaval como uma festa de farturas e exageros, em oposição ao resguardo da quaresma que vem em seguida. Da mesma forma referiu-se ao Halloween que é comemorado na véspera do chamado "Dia de Todos os Santos".

Durante a Idade Média o Halloween foi condenado na Europa, quando passou a ser chamado de Dia das Bruxas. Aqueles que ousassem comemorá-lo eram perseguidos e condenados à fogueira pela Inquisição. Neste início de século o Vaticano também condenou o Halloween, denominando-a como uma festa anti-cristã.
Mas, condenações à parte, o nome "Halloween", segundo esse mesmo historiador, tem seu nome inspirado na expressão "all hallow's eve", que significa a “véspera de todos os santos”.



Dizem que a história dessa data comemorativa tem mais de 2500 anos e surgiu entre os celtas - povo que habitava as Ilhas Britânicas. Eles acreditavam que em 31 de outubro, último dia oficial do verão, os espíritos saiam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Ninguém queria que isso acontecesse e, para assustar os fantasmas, todos colocavam no interior e exterior de suas casas, objetos assustadores como, por exemplo, caveiras e ossos decorados.

"Entre todos os desalmados, destaca-se a antiga lenda de Stingy Jack. Segundo o mito irlandês, ele teria convidado o Diabo para beber com ele no dia do Halloween. Após se fartarem em bebida, o astuto Jack convenceu o Diabo a se transformar em uma moeda para que a conta do bar fosse paga. Contudo, ao invés de saldar a dívida, Jack pregou a moeda em um crucifixo.

Para se livrar da prisão, o Diabo aceitou um acordo em que prometia nunca importunar Jack. Dessa forma, ele foi libertado e nunca mais importunou o homem. Entretanto, Jack morreu e não foi aceito nas portas do céu por ter realizado um trato com o demônio. Ao descer para os infernos, também foi rejeitado pelo Diabo por conta do trato que possuíam. Vendo que Jack estava solitário e perdido, o demônio lhe entregou um nabo com carvão que lhe serviu de lanterna.
Ao chegarem à América do Norte, os irlandeses trouxeram a festa do Halloween para as Américas e transformaram a lanterna de Jack em uma abóbora iluminada com feições humanas. Os disfarces e máscaras, tão usadas pelos participantes da festa, seriam uma forma de evitar que fossem reconhecidos pelos espíritos que vagam neste dia."
(Rainer Sousa - A Origem do Halloween).

No Brasil a comemoração dessa data é bem recente, tendo sido inicialmente divulgada em escolas de cursos de língua inglesa que passaram a valorizar o chamado "Dia das Bruxas" como uma forma de integrar os estudantes à cultura norte-americana.
Apesar de muitos brasileiros argumentarem que a data não tem nada a ver com a nossa cultura, e portanto não deveria ser digna de atenção, nem comemoração, a realidade vai levando de roldão essa corrente de pensamento. Nas escolas e no comércio, principalmente, a divulgação do Halloween é cada vez mais intensa a cada ano que passa. O Dia do Saci, cria artificial do governo brasileiro em 2005, e que é comemorado também no dia 31 de outubro, tenta, em vão, reverter o quadro.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

É A REGRA

TEMOS QUE ADMITIR QUE É A REGRA...

reclamando de que? reclamando do Lula? do Serra? da Dilma? do Arrruda? do Sarney? do Collor? do Renan? do Palocci? do Delubio? da Roseanne Sarney? dos políticos distritais de Brasilia? do Jucá? do Kassab? dos mais 300 picaretas do Congresso?
Brasileiro reclama de quê?

O Brasileiro é assim:
1. - Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas.
2. - Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas.
3. - Suborna ou tenta subornar quando é pego cometendo infração.
4. - Troca voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, e até dentadura.
5. - Fala no celular enquanto dirige.
6. -Trafega pela direita nos acostamentos num congestionamento.
7. - Pára em filas duplas, triplas em frente às escolas.
8. - Viola a lei do silêncio.
9. - Dirige após consumir bebida alcoólica.
10. - Fura filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas.
11. - Espalha mesas, churrasqueira nas calçadas.
12. - Pega atestados médicos sem estar doente, só para faltar ao trabalho.
13. - Faz " gato " de luz, de água etc...
14. - Registra imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos.
15. - Compra recibo para abater na declaração do imposto de renda para pagar menos imposto.
16. - Muda a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas.
17. - Quando viaja a serviço pela empresa, se o almoço custou 10 pede nota fiscal de 20.
18. - Comercializa objetos doados nessas campanhas de catástrofes.
19. - Estaciona em vagas exclusivas para deficientes.
20. - Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado.
21. - Compra produtos pirata com a plena consciência de que são pirata. 22. - Substitui o catalisador do carro por um que só tem a casca.
23. - Diminui a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem.
24. - Emplaca o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA.
25. - Frequenta os caça-níqueis e faz uma fezinha no jogo de bicho.
26. - Leva das empresas onde trabalha, pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis.... como se isso não fosse roubo.
27. - Comercializa os vales-transporte e vales-refeição que recebe das empresas onde trabalha.
28. - Falsifica tudo, tudo mesmo... só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.
29. - Quando volta do exterior, nunca diz a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta o que traz na bagagem.
30. - Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve.

E quer que os políticos sejam honestos...

Escandaliza-se com a farra das passagens aéreas...

Esses políticos que aí estão saíram do meio desse mesmo povo ou não?

Brasileiro reclama de quê, afinal?

E é a mais pura verdade, isso que é o pior! Então sugiro adotarmos uma mudança de comportamento, começando por nós mesmos, onde for necessário! Vamos dar o bom exemplo!
Espalhe essa idéia!


Colaboração Angela Madail Borges

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

THALITA BELLOTTI - MUSA/2011 DO SC CORÍNTHIANS

"As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental", teria dito Vinícius de Moraes, se pudesse ter visto, ainda que de relance, esta menina aí.
Thalita Bellotti (Valinhos/SP, 03/09/1984), modelo, hostess e fisioterapeuta, é a representante do SC Corínthians Paulista no "Musa do Brasileirão/2011". E é nela que estou apostando quase todas as minhas fichas.
MAKING OF
No campo e na passarela o Corínthians está com a faca e o queijo nas mãos para conquistar o título em 2011.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

PARANÁ CLUBE - O PRIMEIRO DOCUMENTO OFICIAL

"A Origem do Paraná Clube" foi uma das primeiras postagens deste blog. Mas essa história não estaria completa se fossem omitidos os detalhes descritos no próprio site do clube, a seguir.






"A história do Paraná Clube é muito bonita, por retratar em sua amplitude, a união. Em 1.989 os dirigentes do Colorado Esporte Clube e do Esporte Clube Pinheiros se reuniram para dar um passo inovador no cenário brasileiro: juntar as forças das duas instituições para formar uma nova e promissora potência. Nasceu assim, o Paraná Clube, um dos mais importantes fatos da recente história do esporte nacional.

Essa junção trazia para o futebol o mesmo conceito usado no âmbito dos negócios no mundo todo: as fusões empresariais que unem ex-concorrentes para, juntos, conquistarem ainda mais mercado. Entre os exemplos mais bem-sucedidos estão a Sony Ericsson, internacionalmente, e no Brasil a Ambev.

Essa atitude moderna revolucionou o cenário do futebol paranaense. A prova é que, em seus primeiros 10 anos de vida, o Paraná Clube venceu seis vezes o campeonato do estado. A mesma projeção foi rapidamente conseguida em nível nacional. Em apenas 3 anos, o Clube saiu da terceira para a primeira divisão do brasileirão, conquistando durante a trajetória o título nacional da Divisão Intermediária em 1.992, apenas três anos depois da sua fundação.

Conquistas importantes que colocam o Paraná entre os maiores clubes do Brasil e das Américas, fato que pode ser comprovado pelas disputas de importantes competições internacionais como a Copa Conmebol, Sulamericana e Libertadores da América, em anos recentes.

Nome: Paraná Clube
Fundação: 19 de Dezembro de 1.989
Estádios: Durival Britto e Silva (Vila Capanema) e Erton Coelho Queiróz (Vila Olímpica)
Endereço: Avenida Presidente Kennedy, 2377, Vila Guaíra, Curitiba/PR, CEP: 80610-010
Fone: (41) 3029-4747
Principais Títulos: Campeão Brasileiro da Segunda Divisão em 1.992 e em 2.000 (Copa João Havelange – Módulo Amarelo). Campeão Paranaense em 1.991, 1.993/94/95/96/97, 2.006.

O Início

Tudo começou em junho de 1.988, na agência de publicidade do colorado Zeno José Otto, que cuidava da conta de propaganda da firma do pinheirense Waldomiro Perini. Informalmente, o futebol era a pauta das conversas. Até que surgiu a idéia de promover uma pesquisa de mercado, com o objetivo de descobrir o potencial de desenvolvimento da torcida do Pinheiros. A diretoria do clube gostou da sugestão, encomendou o trabalho e, ao receber o resultado, repensou a instituição como um todo. Entre outros dados, a pesquisa revelou que apesar de ter sido finalista dos últimos campeonatos, e de ter ganhado dois deles, o Pinheiros só conseguira reunir um contingente de torcida expressivo dali a 15 ou 20 anos. A partir daquele momento, pinheirenses e colorados começaram a estudar sigilosamente a possibilidade de fusão entre os clubes.

Passaram-se alguns dias até que outro publicitário, Ernani Buchmann, então vice-presidente do Colorado, conseguiu realizar a primeira reunião no escritório de Zeno, na avenida Vicente Machado, bairro do Batel. Da parte do Colorado estiveram presentes Darci Piana, do Conselho Deliberativo, Ernani Buchmann e o ex-presidente Dely Macedo. Do lado pinheirense foram os presidentes dos conselhos Deliberativo e Diretor, respectivamente Jorge Celestino Buso e Antonio Carlos Mello Pacheco, acompanhados dos conselheiros Erondy Silvério e Waldomiro Perini. Darci Piana recorda o primeiro encontro. “Diversas questões foram colocadas em discussão, com simplicidade e objetividade. Foi muito interessante”, lembra.

O deputado Erondy Silvério também gostou da conversa. 'Tudo correu bem e nada ficou decidido. Só um ano e muitas reuniões depois é que as coisas ganharam corpo', conta.

Entusiasmado com a projeção dos acontecimentos, Zeno Otto promoveu uma reunião, algum tempo depois, em uma casa no Parque Barigüi. Reuniu-se o mesmo grupo do primeiro encontro, reforçado de outros influentes personagens, como os colorados Raul e Renato Trombini, além dos pinheirenses Aramis Tissot e Ocimar Bolicenho. Foi a reunião dos 12: seis de cada lado – e Zeno apresentou um estudo inicial com as cores, os símbolos e a camisa do novo clube. O nome Paraná sempre foi unanimidade, já que o Água Verde, antes de tornar-se Pinheiros, e também o Colorado, algum tempo antes, cogitaram utilizar o mesmo nome. Era, portanto, algo comum às duas correntes.

A primeira sugestão, a de uma bandeira verde e branca, com as cores do Estado, foi logo descartada, pela semelhança com as cores do Coritiba Fott Ball Club. Mas Zeno e Ernani haviam trabalhados juntos e caprichado na segunda alternativa: cores azul do Pinheiros, vermelho do Colorado e branca comum a ambos; camisa dividida ao meio em azul e vermelho e uma águia dourada no distintivo. Resultado: causou, de imediato, boa impressão a todos. O pinheirense Jorge Celestino Buso gostou da águia. 'A águia americana é poderosa, esperta, sagaz, dominadora', ressalta. Mas, depois do célebre almoço que selou a fusão, acabaram por optar pela gralha-azul, para concretizar a idéia paranista do novo clube, que tem também a Araucária no emblema e o nome Paraná Clube.

O famoso almoço aconteceu em setembro de 1.988, no restaurante Veneza, no bairro de Santa Felicidade. Compareceram três representantes de cada facção: Darci Piana, Dely Macedo e Raul Trombini do Colorado, e Jorge Celestino Buso, Aramis Tissot e Ocimar Bolicenho do Pinheiros. Ali foram aprovados o nome, as cores, a camisa, os símbolos e a distribuição patrimonial. Raul Trombini teve que sair antes do final da reunião que se resumiu no histórico guardanapo de papel, o primeiro documento escrito do novo clube.
No hino, foram mantidos os slogans dos dois clubes. Nas obras, o brado do Pinheiros: O Poder da Realização; e no futebol, o grito do Colorado: A Alegria do Povo. Para mobilizar a torcida boca-negra ficou definido como local oficial dos jogos o estádio Durival Britto e Silva, e a sede oficial na Avenida Kennedy. E partiu-se daí, para a oficialização do processo.

O primeiro teste de aceitação da idéia foi a realização de um jantar no qual foram convidados 50 conselheiros do Colorado e outros 50 do Pinheiros – os mais influentes dos dois lados. Darci Piana e Antonio Carlos Mello Pacheco fizeram uso da palavra e Jorge Celestino Buso, presidente do Conselho Deliberativo do Pinheiros, como anfitrião do encontro, puxou os sentimentos históricos das duas alas e encerrou a reunião em alto astral.

Dali em diante, Piana e Buso passaram a reunir-se periodicamente para discussão de todos os detalhes da fusão, e foi criada uma Comissão de Estudos para o estatuto do novo clube. A escritura pública da ata de fusão é de 19 de dezembro de 1.989. Foram mantidos os 49 conselheiros vitalícios do Ferroviário, Britânia e Palestra, oriundos da fusão que deu origem ao Colorado, entre os novos 200 conselheiros do Colorado no ato da fusão com o Pinheiros. Este, que não possuía os vitalícios, criou 46, que somados aos demais 154 nomes, completaram o grande conselho do Paraná Clube com 400 membros.

Após seis meses de estudos para a montagem dos estatutos foi escolhida a data da Emancipação Política do Estado do Paraná, para a realização das duas assembléias gerais que decidiram o surgimento oficial do Paraná Clube. Na Vila Capanema, de aproximadamente 600 colorados, apenas dois votaram contrariamente a fusão, enquanto que na sede da Kennedy, de 2.800 pinheirenses, apenas 81 manifestaram-se contra a união.

Uma comissão do Colorado, liderada por Darci Piana, presidente do Conselho Deliberativo, deslocou-se da Vila Capanema para a avenida Kennedy, onde foram recebidos pelos pinheirenses no final da assembléia. Mello Pacheco, em gesto de amizade, passou a presidência do Conselho para Piana e verificou-se a ovação de todos, confirmando-se a seguir o nome de Aramis Tissot como primeiro do Conselho Diretor do Paraná Clube. Ficou registrado também, que o Paraná Clube teria dois patronos: Orestes Thá e Durival Britto e Silva Primeira equipe Rubens Minelli, tricampeão brasileiro – 75 e 76 pelo Internacional e 77 pelo São Paulo, foi o primeiro técnico contratado para dirigir o Paraná Clube. Nome bastante respeitado no cenário nacional, trouxe consigo uma qualificada comissão técnica.

Com Minelli, veio o auxiliar e treinador de goleiros Valdir de Moraes, famoso goleiro do Palmeiras na década de 60, com diversas passagens pela Seleção Brasileira, tanto como atleta como membro de comissões técnicas. Luiz Carlos Neves foi o responsável pela preparação física do elenco, Francisco Vicente dos Santos como médico, e Moacir Medeiros como massagista. Francisco José Pires, o Chiquinho, era o supervisor. Joaquim Cirino dos Santos foi vice-presidente do departamento de futebol profissional nos dois primeiros anos, enquanto Emerson de Andrade, o Paulista, o diretor de futebol.

Rubens Minelli recorda do trabalho inicial de preparação da equipe para seu primeiro campeonato, em 1990. 'Foi um momento ao mesmo tempo difícil e gratificante, pois sabíamos do potencial do clube e tratamos de dar o melhor para equacionar o problema de seu elenco. Recebemos cerca de 50 jogadores, vindos do Colorado e do Pinheiros, mesclados entre atletas mais experientes e garotos revelados nas categorias de base', conta. Em sua primeira tentativa, pelas dificuldades naturais de formar um time competitivo em pouco tempo, Minelli não conseguiu levar o Paraná Clube ao título, mas retornou quatro anos depois para ajudar o tricolor na conquista do bicampeonato. 'É, o futebol tem dessas coisas. Fui convidado praticamente para terminar a campanha e encontrei o elenco um tanto desajustado, mas convencido de sua capacidade técnica. Conversamos, acertamos as peças e os resultados apareceram rapidamente, culminando com o título de campeão naquela final com o Londrina, na Vila Olímpica', relembra o treinador."

ESTOU COM SONO. DÁ LICENÇA?

Fonte TVUOL

MENINAS SUPER-PODEROSAS

A proximidade da estação verão no sul do Hemisfério Sul, por muitos esperada como uma dádiva e por outros muitos percebida como um suplício, faz com que ELAS, independente de gostarem ou não das altas temperaturas, acelerem o ritmo para botar o corpo em forma, com o objetivo de poderem exibi-lo [sem traumas] um pouco mais quando os termômetros entrarem em ebulição.
Estas aí são super-poderosas porque mesmo durante o inverno rigoroso do sul, não deixaram a peteca cair e mantiveram-se firmes, em luta constante a favor da própria saúde.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

ATLE-TIBA NO "MUSA DO BRASILEIRÃO/2011"

A última rodada do Campeonato Brasileiro/2011 está recheada de clássicos. Um deles é o ATLE-TIBA, com o Atlético tentando escapar das últimas posições e o Coritiba, já estabilizado, brigando por vaga em um dos torneios sul-americanos de 2012. Dias antes do confronto entre essas duas equipes, o histórico clássico pode ser disputado na passarela do "Musa do Brasileirão/2011".

O primeiro ensaio das musas é uma amostra do que vem por aí.

Nádia Kelly representa o Clube Atlético Paranaense.
MAKING OF




Larissa Gomes é a musa do Coritiba Foot-Ball Club.

MAKING OF

E como diria o Galvão Bueno: "Haja coração!"
Eu prefiro dizer: Benza Deus!

Fonte globo.com

SATELLITE FALLS ON CAR

2011, 24 de setembro. O anúncio, feito pela NASA, que o Satélite de Pesquisa da Alta Atmosfera (UARS) cairia na Terra em qualquer lugar entre os paralelos 57N e 57S, ou seja, só estavam descartadas as regiões dos círculos polares, deixou todo mundo de orelha em pé e olhos [desconfiados] apontados para o céu, nesse dia.
Uns yankees engraçadinhos resolveram aprontar esta pegadinha aí.
video
Colaboração Angela Madail Borges

sábado, 15 de outubro de 2011

RUA BENJAMIN CONSTANT - PELOTAS, RS II

1926, Pelotas, RS. Esta é a rua Benjamin Constant, com as esquinas da Félix da Cunha (de onde vem o carroceiro), da Anchieta (ao centro) e da 15 de Novembro (no alto da colina). A nova pavimentação ainda não estava lá, mas não tardaria a ser implantada. Em uma postagem anterior, neste blog, há uma foto do mesmo local que mostra o trabalho em andamento.
Nobre, N. Pelotas Memória. Pelotas, RS, fascículo V, p.16, 1990.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

AS CIDADES GAÚCHAS NO GOOGLE STREET VIEWS II

2011, Bagé, RS. Por mero acaso, a lente olh0-de-peixe que faz imagens para o Google Street View enquadrou um raríssimo Chevrolet Fleetline/1947 desfilando na esquina da rua General Neto com a avenida Sete de Setembro.
Em destaque, no primeiro plano, a Casa de Cultura Pedro Wayne (av. Sete de Setembro, 1001). O prédio, construído ao longo dos anos 20, foi inaugurado em 15 de maio de 1929 para ser a sede do Banco Nacional do Comércio, que manteve sua autonomia até 1972. Na fachada a identificação original foi preservada.

Dê um zoom.
Imagem Google Street View

terça-feira, 11 de outubro de 2011

UM ALERTA AOS MARINHEIROS DE PRIMEIRA VIAGEM

Um relatório de inspeções realizadas em 41 dos 45 navios de cruzeiro que estiveram na costa brasileira entre outubro de 2010 e maio de 2011 aponta que 27% deles apresentaram irregularidades sanitárias superiores às consideradas satisfatórias pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANViSa). Os problemas constatados vão desde o armazenamento inadequado de alimentos até à falta de condições higiênicas da água servida a bordo.
Acesse o site da ANViSa e fique alerta.

Fonte jornal Correio do Povo, Porto Alegre, RS, 15/09/2011, p.22.
Colaboração Maurício Fontana

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

RESCATADORES DE TORTUGAS

2008, 18 de março, 10:57 h - Rocha/Uruguay. Ao que parece, o objetivo deste grupo aí é recolher as tartarugas marinhas que apareçam enfermas ou lesionadas ao longo de um determinado trecho da costa do Uruguay.
Depois, utilizando as técnicas adequadas de translado, estes pesquisadores encaminharão os bichos a uma estação de estudos da biologia marinha, que os irá alimentar e reabilitar, até que estejam prontos a retornar ao seu habitat.

Foto Carlos Brandi - câmera Konica Minolta/Dynax 5D

O local é a praia das Barrancas Coloradas, nas proximidades do Cerro Verde e não muito longe de um povoado chamado "La Coronilla". A entrada mais óbvia para chegar a esta praia é através do Forte Santa Tereza, que fica a 30 Km do Chuí/Chuy, Uruguay adentro.

Foto obtida através do Panoramio/Google Earth

RADICCI E A VIDA DE CASADO

Radicci (seu nome verdadeiro é Ambrósio Marcon, revelado numa tira do livro Mixórdia - O Menos Pior do Radicci) é um personagem-título de histórias em quadrinhos criado pelo cartunista brasileiro Carlos Henrique Iotti, em 1983. Ele é apresentado dentro do contexto dos imigrantes italianos que colonizaram a região da Serra Gaúcha - mais especificamente Caxias do Sul - no extremo sul do Brasil. Nessa região, radicci é uma salada verde de pequenas folhas lisas e amargas, temperada apenas com vinagre caseiro de vinho tinto e que acompanha pratos como galeto, massa e polenta. Essas comidas são muito apreciadas pelo Radicci.

O personagem principal é uma caricatura do colono italiano que chegou no sul do Brasil. Ele é engraçado, gordo, beberrão, ranzinza, machista, preguiçoso, guloso, amante de vinho e da farra e inimigo mortal do trabalho.

Fonte Wikipédia





Colaboração Angela Madail Borges

domingo, 9 de outubro de 2011

CRIATIVIDADE NACIONAL

Por Werner Beck
Of. Circ. U0R4/11:
A ala dos gambás não é fácil.

TORCIDA XAVANTE RUMO À BOCA DO LOBO

2011, 09 de outubro - Pelotas, RS. O clássico da volta, relativo ao II turno da Copa Laci Ughini, era na Boca do Lobo, o estádio do EC Pelotas.

Os flagrantes, abaixo, mostram as torcidas organizadas do GE Brasil, escoltadas pela Brigada Militar, se deslocando em direção ao Estádio da Boca do Lobo.
A avenida Juscelino Kubistschek de Oliveira é caminho obrigatório de uma ou de outra torcida, dependendo do local onde se realizam os clássicos.

Clique nas fotos para obter o zoom e ver se acha alguém conhecido.

















No Bra-Pel nº 349, vencido pelo GE Brasil, por 2 a 1, foi registrado o gol mais rápido da história do clássico, marcado por Luiz Carlos, para o Brasil, aos 18 segundos de jogo. O gol do Pelotas também saiu cedo, aos 4 minutos do tempo inicial, e foi marcado por Júnior Paulista. Athos fez o gol da vitória do Brasil, aos 14 minutos, também no 1º tempo.

Para saber mais sobre o Bra-Pel nº 349, siga o link, abaixo.

http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/dsm/19,0,3519578,Na-Boca-do-Lobo-Brasil-vence-o-segundo-Bra-Pel-deste-ano.html

sábado, 8 de outubro de 2011

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

LOUCOS POR CERVEJA

O Valacir mandou uma penca de propagandas de cerveja. E todas vão para a minha galeria dos comerciais premiados.
video

video

video

video

video

video

video

Colaboração Valacir Marques Gonçalves

VINHO & SAÚDE

Há várias décadas, pesquisadores espalhados por todo o Mundo têm investigado a ação antioxidante de substâncias presentes nas uvas pretas. Os resultados obtidos até aqui dão conta que o consumo moderado de vinho tinto, especialmente os originados de determinadas qualidades de uvas, trazem benefícios não desprezíveis à saúde. Vejamos o que até agora foi constatado:




- ALZHEIMER - Fortes antioxidantes, os polifenóis presentes nas cascas e sementes das uvas pretas serão os responsáveis por evitar o envelhecimento das células cerebrais;

- ARTRITE REUMATÓIDE - Investigadores suecos concluíram que tomar cinco copos de vinho tinto por semana reduz para metade o risco de desenvolver a doença;

- ENVELHECIMENTO CARDÍACO - O Resveratrol, uma enzima natural do vinho tinto, prolonga a vida do coração, imitando o efeito das dietas de restrição calórica;

- CÂNCER DE PRÓSTATA - Os homens que bebem quatro ou mais copos de vinho tinto por semana reduzem em 50% o risco de sofrer deste tipo de tumor. Isso parece dever-se ao resveratrol, uma enzima natural do vinho tinto;

- ENVELHECIMENTO CARDÍACO - o resveratrol prolonga a vida do coração, imitando os efeitos das dietas de restrição calórica;

- MAU COLESTEROL - Os polifenóis ajudam a prevenir a formação de placas de gordura nas artérias, reduzindo o mau colesterol (LDL) e aumentando o colesterol bom (HDL);

- PEDRAS NOS RINS - Em 1998, uma equipe de pesquisadores de Harvard/USA, dirigida por Gary Curham, demonstrou a relação entre o consumo de um copo de vinho tinto por dia e a redução de 59% do risco de formação de cálculos renais.


Pesquisa
http://falandodevinhos.wordpress.com


Post Scriptum: Recomendo, por experiência pessoal, o consumo dos vinhos tintos secos, com graduação alcoólica não inferior a 11,5%.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

TODOS OS CAMINHOS CONDUZEM A BAGÉ

Segundo a historiadora Maria Luiza Corassin, da Universidade de São Paulo, quando o império romano era o umbigo do mundo, lá pelos idos do século I, Roma chegou a ter 80.000 Km de estradas. A extensa cobertura oferecida por essas vias, era usada, principalmente, pelos mensageiros que levavam ordens de um extremo a outro do império. A eficiência do correio romano, atrelado a essa teia de caminhos projetados e traçados em seus domínios, deu origem à expressão popular: "Todos os caminhos levam a Roma".

Há algumas décadas um apelo turístico-comercial do governo municipal de Bagé, RS, resgatou a famosa frase, adaptando-a ao momento e movimento expansionista que vivia a cidade. Assim surgiu: "Todos os caminhos conduzem a Bagé". E se examinarmos o mapa, abaixo, veremos que a afirmativa tem óbvio fundamento.

Clique na imagem para obter o zoom.

OBSERVANDO O INIMIGO

I Guerra Mundial, 1914. As trincheiras da chamada Grande Guerra estendiam-se por cerca de mil quilômetros pela Europa Ocidental, indo do litoral do mar do Norte até a fronteira da Suíça. Por toda essa extensão ficavam, frente a frente, as linhas de infantaria de alemães e aliados.
No flagrante acima, um infante britânico observa, por um buraco aberto na terra úmida da trincheira, abaixo da linha-limite do solo, a movimentação do inimigo. Seus camaradas de farda aproveitam a calmaria para descansar da forma que lhes é possível.

Erguer a cabeça, ainda que a poucos centímetros acima da trincheira, era morte certa. Atiradores, de ambos os lados, passavam o dia atentos ao vacilo de algum soldado inimigo que assim o fizesse.

Foto Arquivo do jornal Correio do Povo - Porto Alegre, RS.