sábado, 27 de abril de 2013

VIRGÍNIA LANE E O QUE A VEDETE VIU

No começo de 2007 a Rádio Globo do Rio de Janeiro, RJ, divulgou uma entrevista com Virgìnia Lane (Rio de Janeiro, 28/02/1920) nome artístico de Virgínia Giaccone, atriz e vedete brasileira. A entrevista ficou na obscuridade da História, apesar de ser importante matéria, em potencial, para investigações policiais que nunca foram feitas.

 
Virgínia começou sua carreira como cantora no programa Garota Bibelô, na rádio Mayrink Veiga, em 1935, e estreou no elenco do Cassino da Urca, em 1943, como cantora e dançarina à frente das orquestras de Carlos Machado, Tommy Dorsey e Benny Goodman. Em 1946 lançou seu primeiro disco [em 78 rpm] pela gravadora Continental com a marcha Maria Rosa, de Oscar Bellandi e Dias da Cruz, e [no lado B] o samba Amei Demais, de Cyro de Souza e J.M. da Silva. Dois anos depois, sob a direção de Chianca de Garcia, apareceu como vedete na revista Um Milhão de Mulheres, no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro, tornando-se então a vedete mais famosa da Praça Tiradentes.

Foi capa de diversas revistas por 4 anos seguidos, em parceria com o produtor Walter Pinto, recebendo o título de “A Vedete do Brasil”, dado pelo Presidente Getúlio Vargas.

No auge da febre do Teatro de Revista levou para a televisão o formato do teatro de variedades com o programa Espetáculos Tonelux, dirigido por Mário Provenzano, na TV Tupi do Rio de janeiro. Entre 1935 e 1998, Virgínia fez 37 trabalhos para o cinema, dentre estes muitas comédias carnavalescas, cantando seus sucessos e contracenando com Grande Otelo, Oscarito e Zé Trindade. No período 2005 / 2006 fez parte do elenco da novela Belíssima, da TV Globo, ao lado de outras ex-vedetes.

Virgínia Lane teve um relacionamento amoroso durante 15 anos com o ex-presidente Getúlio Vargas e, de tudo o que sabe a respeito do Brasil daquele tempo, revelou em entrevista para a Rádio Globo que a História está errada no assunto que se refere à morte de Getúlio Vargas. Acompanhe o áudio, disponibilizado através do YouTube, no canal O Berro da Formiga.

Nenhum comentário: