domingo, 11 de junho de 2017

¿OS DIAS ERAM ASSIM?

Março de 1968. Num daqueles dias uma aluna de Química Orgânica da Universidade de Brasília definiu os desentendimentos entre os estudantes e a polícia, em uma figura de linguagem análoga a princípios da físico-química. Disse ela: “Estudantes e polícia são como duas moléculas diferentes colocadas uma diante da outra. Elas se atraem, provocam o encontro de energias contrárias e geram o atrito. Se elas fossem iguais, o resultado seria a estabilidade.”

A charge de Duque Estrada, em “A Culpa da Violência”, na primeira edição da revista Veja, de 11 de setembro de 1968, nos faz refletir que pouco mudaram, de lá para cá, as atitudes dos que protestam contra os governos e dos que tentam coibir esses protestos.
Autor: Duque Estrada. Revista Veja, 11/09/1968, p. 23.

Sabe-se, desde sempre, que violência, de parte a parte, não resolve conflitos. Apenas os acalmam temporariamente, por conta do enfraquecimento momentâneo de um dos lados. Depois, eles – os conflitos - voltam com mais força.

Fonte: revista Veja, edição 1, 11/09/1968, p. 22/23.  
 

quarta-feira, 8 de março de 2017

PARA TODAS AS MULHERES DO MUNDO


Maltratadas, agredidas, aprisionadas, discriminadas. Sim, ainda ocorrem situações como estas, envolvendo as mulheres, em todas as regiões do planeta.
O Dia Internacional da Mulher, lembrado e comemorado há mais de um século no dia 08 de março, poderia passar quase despercebido se não mais houvesse a necessidade da reafirmação de conceitos contra a discriminação, o desrespeito, as agressões físicas e psicológicas, e outras ações piores, contra meninas, jovens mulheres, namoradas e esposas, todas elas mães em potencial nos seus sonhos, no presente ou no futuro.

Poster alemão de 1914 em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, conclama o direito ao voto feminino.
Fonte: Wikipédia
Minorias, ancoradas em práticas e teorias retrógradas, ainda hoje insistem em desconsiderar que o lugar da mulher é em todos os lugares, em todas as atividades e em todas as profissões, algumas destas, antes, reservadas ou admissíveis somente para o gênero masculino. 
Assim, ainda há que se exaltar essa data em favor da reflexão e da reafirmação dos direitos [e deveres - observo] iguais para todos.